© 2019 - Instituto Âmago

Mecanismos de defesa do Ego: análise da música “Esqueci”

Os mecanismos de defesa, portanto, constituem operações de proteção do Ego para garantir a própria segurança, você defende para que a angústia diminua e o prazer apareça. Acadêmica: Gislaine de Barros

Quando se fala a palavra defesa, logo vem ao pensamento a ideia de proteção, sendo assim, de forma simplificada, pode-se dizer que os mecanismos de defesa são ações psicológicas criadas com a intenção de evitar que algo ruim aconteça consigo.


A expressão MECANISMOS DE DEFESA foi criada por Freud e se refere ao resultado do desejo do ID e da reprovação do Superego que geram ansiedade no Ego. Essa ansiedade causa sensações desconfortáveis e dolorosas e para combatê-las o Ego cria os mecanismos de defesa. Esses mecanismos são processos inconscientes que procuram solução para conflitos não resolvíveis a nível consciente.


Todo indivíduo possui seus mecanismos de defesa, daí a importância da associação livre, pois através dela o psicanalista os percebe e através destes consegue chegar aos conteúdos do inconsciente.


A música é uma das maiores formas de expressão dos sentimentos humanos e está inserida no cotidiano das mais variadas formas. Sob essa perspectiva, a seguir será feita a análise da música “Esqueci” interpretada por Bruno e Marrone e de composição de Carlos Radall e Dimarco.

Não vou impedir você partir Nem vou pedir que fique aqui Vou me portar com toda classe Não vou te pedir que volte atrás Que pare um pouco, pense mais Nem te impedir que chame um táxi Eu até já esqueci a cor dos teus olhos castanhos Que tem um metro e sessenta E que se demora no banho Esqueci que seu sapato é do tamanho trinta e seis E que adora fazer sexo trinta vezes por mês Esqueci que me acorda com o café da manhã Nos seus braços me apertando Se dizendo minha fã Esqueci de te dizer que este pranto nos meus olhos É que o meu time perdeu e por isso então eu choro
Não vou precisar do seu carinho Eu me viro bem sozinho Mas antes de ir embora Faz comigo aquele amor que agride Tranque a noite lá de fora Amanhã você decide

O mecanismo de defesa da negação se faz muito presente na música em questão. A negação trata de negar a realidade que traz dor. O EU da música tenta sustentar que esqueceu a pessoa amada, uma inverdade percebida ao longo de quase toda letra, mas muito evidente nos versos “Esqueci de te dizer que este pranto nos meus olhos” “É que o meu time perdeu e por isso então eu choro”, onde não admite estar chorando pela falta da pessoa amada, explicitando também a racionalização, ao substituir o verdadeiro motivo do seu comportamento, por uma explicação razoável.


Observa-se também indícios de idealização quando descreve as minunciosidades da pessoa amada, tais como o tempo que demora no banho, o tamanho do seu pé, o que gosta de fazer ao acordar, deixando a entender que ela é perfeita e que não haverá outra capaz de ocupar seu lugar.


Já nos versos: “Não vou precisar do seu carinho” “Eu me viro bem sozinho” observamos o mecanismo da formação reativa, em que substitui sentimentos opostos ao desejo real, há uma inversão, mantendo o impulso desejado longe do consciente e enfatizando o impulso oposto.


Os mecanismos de defesa, portanto, constituem operações de proteção do Ego para garantir a própria segurança, você defende para que a angústia diminua e o prazer apareça. Eles podem ser bons ou ruins, pois nos ajudam em determinadas situações, porém quando repetidos de forma desmedida, podem se tornar patológicos.

Referências

69 visualizações