© 2019 - Instituto Âmago

Análise Junguiana dos Contos de Fadas

Optei por analisar o conto de fadas: “Aladdin”. Acadêmica: Luana Barros

Neste conto, o personagem inicia sua trajetória como bandido. Seu mundo comum são as ruas da cidade e sobrevive entre um roubo e outro. Um dia ele encontra uma princesa e se apaixona por ela.

“O chamado” para Aladdin acontece no momento que ele entra na gruta, onde somente têm permissão para adentrá-la os puros de coração. Porém, devido à ambição do macaquinho (uma espécie de sombra) eles quase ficam presos, pois o animal pega uma joia e, neste instante, a gruta começa a desmoronar e vira um monte de areia.

A figura da gruta, cheia de pedras preciosas e ouro é o inconsciente. Entende-se a mensagem de que é importante conhecê-lo, mas ficar preso nele levaria à loucura. Quem os retira dali é o tapete mágico, um objeto que possui vida. Observa-se que o tapete leva o herói para onde ele quer. Assim, de dentro do inconsciente, onde Aladdin encontra o tapete e a lâmpada mágicos, podem ser retiradas ferramentas importantes para a liberdade do ser humano e para seu aperfeiçoamento e empoderamento.

A recusa do chamado de Aladdin acontece quando ele pede para ser príncipe com o intuito de se casar com a princesa, mas fica deslumbrado com a riqueza, tornando-se orgulhoso e vaidoso. Como consequência, desvia-se de sua jornada.

A anima do Aladdin (representada na princesa) está completa. Ele necessita somente integrar sua sombra, que é refletida fortemente em Jafar, um feiticeiro maligno, orgulhoso e ambicioso que almeja o trono.

O gênio da lâmpada faz o papel do mentor. Dando-lhe conselhos morais e éticos, ao alertá-lo sobre a ambição.

A travessia do primeiro limiar ocorre quando Jafar descobre que Aladdin não é príncipe, e sim um bandido que havia sido preso. O vilão não havia percebido anteriormente pelo fato de Aladdin estar vestido como príncipe e haver apresentado várias riquezas. Demonstrando assim como a persona pode abafar o que está na sombra, mas não por muito tempo.

Os testes aliados a inimigos ocorreram por meio de Jafar que persegue Aladdin severamente até encontrar a lâmpada mágica e o gênio ter que obedecer a suas ordens. Com este ato, a sombra (Jafar) toma o protagonista (Aladdin), que agora faz o que for necessário para obter poder. Além disso, a sombra também leva seu mentor. Estando o ego agora somente com suas armas para enfrentar a sombra, não possuindo artifício mágico algum.

A batalha final ocorre com Jafar (a sombra), tendo a posse da lâmpada, e Aladdin sem poderes mágicos, restando-lhe somente sua perspicácia e inteligência. Jafar pede ao gênio para tornar-se o ser mais poderoso do Universo. Com isso, Aladdin percebe a vaidade de Jafar e seus maiores sonhos. Neste contexto, Aladdin diz a Jafar que há alguém mais poderoso que ele. Jafar fica enlouquecido e questiona “Quem?”. O herói afirma ser o gênio, uma vez que ele lhe deu o poder, também poderia retirar-lhe quando quisesse. Dessa forma, Jafar faz seu último pedido ao gênio, desejando ser um gênio. E, assim, fica preso dentro de uma lâmpada por toda a eternidade.

A provação suprema e a transformação de Aladdin ocorrem com seu terceiro e último pedido ao gênio, ao desejar a liberdade do gênio. Nesse momento, o gênio liberta-se das algemas de sua lâmpada e pode viver onde quiser, sem precisar servir a mais ninguém.

A recompensa que Aladdin recebe é conquistar o coração da princesa, o que o faz ser um verdadeiro príncipe. Por fim, acontece o casamento alquímico, que é o símbolo do processo de individuação.

75 visualizações